• José Luís Peixoto

(POEMA) HOTEL HARNAŚ, BUKOWINA TATRZANSKA, POLÓNIA

JLP IN SITU



As casas, como peças de um jogo. Os telhados olham

para o céu, perguntam-lhe pela neve. Os telhados

parecem não entender o verão, este sábado, apesar

das promessas da luz, jovem manhã, comparável

a um tímido segredo. E os picos das montanhas, lá

longe, regiões inóspitas que nunca visitarei, mas que

posso avistar a partir desta varanda, conforme uma

ilusão imediatamente seguida de uma desilusão. E

procuro palavras na paisagem, e encontro um cartaz

escrito em polaco, zê depois do ésse — sz — zumbido

que não sei pronunciar, comparável talvez aos pneus

no alcatrão que, por vezes, ouço também na paisagem,

carros que seguem curvas nas montanhas, convictos

do seu caminho inequívoco, como um homem e uma

mulher lá ao fundo, na berma da estrada, vieram de

Varsóvia, têm um fim de semana inteiro, não sabem

o que hão de fazer com tanto tempo livre. O ar é frio

de limpo, atravessa os troncos retos dos pinheiros.

Quem saberá o que pensam os pinheiros?



José Luís Peixoto, inédito

Hotel Harnaś, Bukowina Tatrzańska (Polónia), 7 de Agosto de 2021



*****


OBSERVAÇÕES:


Eis o segundo poema que escrevo a partir de algumas das ideias que iniciei AQUI.


Neste caso, fiz o texto corresponder de um modo mais direto com o que estava a observar. Creio que essa característica se adequa mais a esta forma de escrita, no lugar e no momento. Ainda assim, não sei se manterei esta ligação tão clara nos futuros textos desta série.


Uma vez que, nas redes sociais, várias pessoas demonstraram interesse em partilhar textos escritos com princípios semelhantes a estes (escritos no lugar a que se referem, textos com princípios comparáveis aos dos desenhos dos Urban Sketchers), vou indexar estas publicações no Instagram com #escreverolugar e convido quem quiser juntar-se a usar esse hashtag para que seja fácil publicar-se e ler-se textos que tenham sido escritos a partir do desenvolvimento destas ideias.


Pessoalmente, continuarei a usar também o hashtag #jlpinsitu para agrupar os meus próprios textos e, assim, manter-me organizado. Irei igualmente continuar a publicá-los aqui, neste site, embora vá dando conta da sua existência, tal como das paisagens a que se referem, nas redes sociais.


Desta vez, o poema foi escrito nas montanhas ao sul da Polónia, em Bukowina Tatrzańska, na varanda do quarto 1308 do Hotel Harnaś.



Texto e fotos de José Luís Peixoto