• José Luís Peixoto

DUBAI, EMIRADOS ÁRABES UNIDOS

O presente e o futuro




Deira é uma das áreas mais visitadas do Dubai. No centro dessas visitas, estão o souk do ouro e o souk das especiarias. Como os nomes indicam, ouro e especiarias são as principais mercadorias em oferta. No primeiro caso, passamos por montras cobertas de ouro, objetos que se destinam aos dotes dos matrimónios tradicionais. No outro mercado, há muito mais possibilidades para as bolsas modestas, não apenas no que toca a especiarias, mas também alimentos, marroquinaria, quinquilharia. Aí, encontrei turistas estrangeiros a fazerem as suas negociações, mais dez dirhams, menos dez dirhams, mas ainda estávamos muito longe dos arranha-céus e do Dubai Mall. Esses ícones modernos viriam depois.





Chegámos à Avenida Sheikh Zayed através de túneis e viadutos, estradas de alcatrão liso, cenário de urbe futurista. Durante esse caminho, foi-me explicado que, nos primeiros meses da pandemia, durante o confinamento, as autoridades entravam em prédios de habitação, determinados à sorte, e faziam o teste do vírus a todas as pessoas. Essa conversa foi interrompida pela Avenida Sheikh Zayed. Precisei de espantar-me com as enormes torres de um lado e de outro. Logo a seguir, passámos pelo Museu do Futuro, ele próprio ainda no futuro, uma vez que tem a inauguração adiada.




Texto de José Luís Peixoto

Fotos de Patrícia Santos Pinto