top of page
  • José Luís Peixoto

BADAJOZ, ESPANHA

Atualizado: 30 de out. de 2020


Estrangeiro






Tinha 9 anos na primeira vez que atravessei esta fronteira. Na época, as formalidades aduaneiras eram um pouco mais exigentes. As diferenças entre um e outro lado eram muito maiores. Esse era o tempo dos caramelos, das Galerias Preciados, dos relógios eletrónicos, com cronómetro e/ou calculadora, que acertávamos com a ponta de uma esferográfica.


Hoje, dia 1 de julho de 2020, calhei a estar perto de Elvas e, depois destes meses raros (em português e em castelhano), depois desta incerteza que ainda não terminou, depois de tanto inimaginável, quis atravessar esta fronteira, ir a Badajoz, mesmo que apenas durante algumas horas, mesmo que apenas simbolicamente.



Fui a uma livraria, passeei por alguns lugares conhecidos, encontrei dois amigos, fizemos um almoço-lanche-jantar de tapas e voltei a atravessar a fronteira, vou neste momento a caminho de casa.


Apesar das muitas viagens que fui fazendo ao longo dos anos, consigo agora lembrar com precisão o que senti nesse dia, com 9 anos, quando também regressava a casa (outra casa), com a cabeça cheia de entusiasmantes ilusões.



E, como um tesouro, levo a súbita lembrança de que, para mim, viajar é este sonho inocente de liberdade. Não preciso de ir muito longe, basta não me perder de mim próprio.





Fotografias de Patrícia Santos Pinto

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page